O RIGOR DA FORMA

MARISCADA ALLA MEDITERRÂNEA


        Ontem, dia dos pais, fiquei em casa. Só saí à noite. Desde minha separação, meus filhos foram viver em Miami com a mãe. Nos falamos pelo computador, Skype! Foi muito bom revê-los, mesmo que só na telinha!
        A noite, George que também é solitário, me convidou para jantar. Monica, uma amiga, enviou a receita na minha página do facebook e ele resolveu testar!
        mariscada alla mediterrânea! Monica sugeriu até o vinho! Depois vou agradecer a ela pela dica! 
        George é sempre caprichoso na preparação das receitas! Ficou divina! Enquanto comíamos, conversamos sobre o caso que Vera escreveu em PEÇAS FRAGILIZADAS.
George, além de cozinhar bem, é um filósofo nato! Quando o álcool entra em suas veias ele quer salvar o mundo!
       O caso em que trabalhei para Joca, parece se repetir a cada dia! Poder e corrupção no nosso país estão a cada dia mais ousados. Rouba-se sem constrangimento e a vida continua.
Esta semana, mais uma juíza que tentava combater bandidos e corrupção foi assassinada! Ainda bem que não sou eu a desvendar esse caso!
      Depois de muito verdicchio di mattelica, vinho sugerido por Monica, percebemos que se formou em nosso país uma estrutura de poder praticamente invencível! Não basta vontade política de uns poucos perdidos, uns poucos de fora!!! Nem oposição existe mais! Esta estrutura vai estendo as garras e dominando tudo!
      Até mais, amigos, vou para a padaria tomar minha média com pão e manteiga na chapa! Servidos?

Um comentário:

  1. Rio 03.08.2011

    O GRANDE PENSADOR
    Autor: Edilberto José soares
    Beto Poeta
    como eu queria hoje ser somente o poeta
    daqueles loucos, selvagem, e Revolucionário
    com o poder de mundar o curso planetário
    eu viveria todo dia a plena festa
    mas, quem sou para ter tanta ousadia?
    só por escrever modestas poesias
    já pensei logo, esculachei, eu sou o cara
    cara de paú é isto o que eu sou
    pensar um dia ser o Grande pensador
    um paraiba que com a cara e a corajem
    caiu pra vida para ser o perdedor
    quanta ousadia para um filho do sertão
    que foi treinado, adestrado pra ser pião
    pião de obra a guerra do trabalhador
    eu abestado pensei ser o escritor
    meus versos mortos não servem pra acordar ninguem
    como sou triste por calarem minha fala
    negam-me até o direito de ser Brasileiro
    quero escrever a poesia que abala
    quero somente trasformar o mundo inteiro
    como eu queria hoje ser só o Poeta!

    ResponderExcluir